Autódromo

A ideia para construção de um Autódromo na capital de Goiás surgiu na década de 60, quando crescia a paixão dos goianienses por automobilismo e motociclismo. Nesse período, as corridas eram realizadas nas ruas do centro de Goiânia, apenas durante as comemorações do aniversário da capital, em 24 de Outubro. Para os amantes de velocidade, as competições uma vez ano não eram suficientes. Com o tempo, aumentou a necessidade de transferir as competições das ruas (havia risco de acidentes com os espectadores) para uma pista permanente e exclusiva para corridas em um local seguro, onde seria possível reunir o público e os pilotos.

Para concretizar o sonho da praça esportiva, autoridades políticas e esportistas da época começaram a estudar qual seria o melhor espaço para executar a obra. Entre as opções de terrenos, a área da Fazenda Gameleira, de propriedade de Lourival Lousa, foi escolhida pela localização privilegiada, topografia e facilidade de acesso. O arquiteto Silas Varizzo e o automobilista Marcos Veiga Jardim foram os responsáveis pela elaboração do projeto esportivo do circuito que teve como conselheiro técnico o bicampeão da Formúla 1, Emerson Fittipaldi. O piloto ajudou a planejar a pista com extensas áreas de escape, o que a tornou referência internacional no quesito segurança. A instalação da cerca de aço que divide a pista do público e outros detalhes técnicos também se devem ao esportista.

O novo Autódromo também foi pensado com o objetivo de garantir ao público boas condições de visibilidade do traçado. Diferente dos demais autódromos do país, a praça esportiva foi preparada para que os visitantes tenham visão privilegiada do circuito na arquibancada ou nos taludes ao redor da pista. As obras de construção do Autódromo começaram em 1972 e tiveram duração de dois anos.

A Inauguração

O Autódromo de Goiânia foi inaugurado em 28 de julho de 1974, com várias competições de motos e carros da época como Opalas e Mavericks, além da primeira corrida de longa duração conhecida como 12 Horas de Goiânia. Este foi o primeiro de muitos eventos esportivos que transformaria a praça esportiva em um dos berços do automobilismo nacional e palco de importantes campeonatos do cenário mundial.

As Competições

Com a construção do Autódromo, Goiás passou a sediar diversos eventos do esporte a motor, como os campeonatos goianos, Copas Planalto e do Centro-Oeste, campeonatos brasileiros, Fórmulas Honda, Ford, Stock Car, Marcas e muitos outros. A praça esportiva contribuiu decisivamente para a ascensão de pilotos goianos no cenário nacional do automobilismo e motociclismo.
Na década de 80, o Autódromo de Goiânia ganhou destaque internacional e atraiu o olhar do mundo ao sediar os Grandes Prêmios de Motociclismo nos anos de 1987,1988 e 1989. Foi um dos momentos mais marcantes da sua trajetória. As corridas foram transmitidas para mais de 80 países e a praça esportiva foi bem avaliada do ponto de vista técnico pela Federação Internacional de Motociclismo.