R3Horas abriu temporada 2021 do Autódromo de Goiânia com participação de 124 pilotos

O Autódromo Internacional de Goiânia Ayrton Senna recebeu no último domingo (7) a sua primeira prova do calendário de 2021. O palco da velocidade em Goiás abriu sua temporada com a R3Horas de Goiânia, corrida de motociclismo com revezamento, que reuniu 124 pilotos, divididos em 35 equipes, e teve três horas de duração.

A prova ocorreu debaixo de um tempo chuvoso em Goiânia, o que aumentou o nível de dificuldade para os pilotos. Ao final da corrida, a vitória foi para a equipe formada por  Felipinho, Bruno Garcia, Bruno Ribeiro e Cleyton Fucinho.

Em cada equipe era necessário ter um piloto de 12 a 16 anos, um piloto profissional e um piloto máster. Para o secretário de Esporte e Lazer, Rafael Rahif, o formato do evento trouxe uma grande interação a todos os pilotos: “É uma grande festa que está acontecendo aqui no Autódromo de Goiânia. Pilotos de várias idades, de vários estados e até de fora do Brasil. É um momento de competição, mas também de integração do motociclismo brasileiro”, enfatizou o secretário.

Um dos times montados para o grid tinha um piloto de cada nacionalidade. O chileno Antônio D´angelo correu em conjunto com a italiana Beatrice Barbeiro e o argentino Nazareno Gomes. “É uma prova muito bacana essa, que permite uma interação entre nós e os pilotos brasileiros. Nunca tinha corrido aqui em Goiânia e estou impressionado com a estrutura do autódromo. Não tem nada parecido no Chile”, destacou Antonio D´angelo.

A prova também contou com a participação do gerente do Autódromo de Goiânia, o ex-piloto Roberto Boettcher, tricampeão brasileiro de MotoCross. “O mais importante é a diversão. Poder correr com essa meninada, aos 63 anos de idade, debaixo de chuva. Não consegui andar nenhuma vez com a pista seca, foi muita adrenalina”, contou Boettcher.

Entre os pilotos já acostumados com o motociclismo, destaque para um estreante ilustre. O ex-zagueiro do São Paulo e da seleção uruguaia, Diego Lugano, competiu pela primeira vez nas pistas, juntamente com Edinho Picoloko, Marcelo Simões e Linconl Melo. “Estou muito contente em estrear nas pistas aqui em Goiânia. Já ouvi falar muito do autódromo daqui, mas ainda não conhecia. O que eu estou buscando aqui é diversão, e o evento propicia isso”, declarou o uruguaio.

 

Segurança

Além da corrida, a R3Horas e o Autódromo de Goiânia promoveram no fim de semana um curso de pilotagem e segurança, ministrado pelo piloto e instrutor Leandro Mello. “Dividimos o curso em duas categorias: iniciante e avançado. O objetivo é trocar experiências com os pilotos e melhorar o nível do motociclismo brasileiro, principalmente dos mais jovens”, ressaltou o instrutor.

Conhecedor de autódromos no Brasil e em todo o mundo, o piloto paulista parabenizou o Autódromo de Goiânia pela implantação de duas caixas de brita, ao final das curcas 0 e 1, realizada em 2020, que trouxe mais segurança à prática do motociclismo. “É raro ver um autódromo pensar primeiro no motociclismo. Geralmente os autódromos são pensados para os carros, e depois adaptados para as motos. Aqui em Goiânia foi feita uma intervenção pensando nas motos, e isso traz muito mais segurança e confiança para  o piloto durante a corrida”, finalizou.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.